Minhas Compras
Você adicionou a sua lista de compras. O que deseja fazer agora?
Continuar Comprando! Fechar Compra!
X

Envie sua mensagem

Aguarde, enviando contato!
Categoria: Blog Publicado em: 17/07/2020 comentários

Achados de neuroimagem na COVID-19

Achados de neuroimagem na COVID-19
  • Compartilhe Post
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no WhatsApp

Poucos trabalhos têm sido publicados sobre os desfechos neurológicos em pacientes com COVID-19 e pouco é sabido sobre as sequelas neurológicas relacionadas. Entretanto, observa-se um interesse crescente relacionado à natureza protrombótica da doença. Este artigo da AJNR, recente, de junho de 2020,  relata a experiência com 4 pacientes com COVID-19 que apresentam sintomas neurológicos e sugere como os achados podem direcionar uma fisiopatologia envolvida.

Vamos aos casos e imagens? 

Paciente 1: 43 anos, sexo masculino, no 4º dia após diagnóstico de COVID-19 desenvolveu assimetria pupilar aguda. A TC mostrou hematoma frontal intraparenquimatoso à esquerda com hemoventrículo e hidrocefalia associados. Observou-se nível líquido no hematoma, sugerindo possível coagulopatia. Havia discreta hemorragia subaracnoide associada, hemorragias subcorticais petequiais no vértice e algumas pequenas veias corticais hiperdensas. O paciente tinha hematócrito e D-dímero elevados (>4400 mg/L), evoluiu com piora clínica e faleceu.

 Achados de neuroimagem no COVID-19


Paciente 2: 57 anos, sexo masculino, após extubação evolui com confusão mental e fraqueza no braço direito. A TC mostrava múltiplas hemorragias petequiais subcorticais e subpiais. A RM mostrava extensas hemorragias petequias no SWI e alguns pequenos hematomas parenquimatosos. Houve extensas áreas de alteração no SWI com aparente correlação com a distribuição venular, de padrão predominante subcortical e difuso. Não havia edema ou efeito expansivo significativo no T2/FLAIR. D-dímero estava elevado (>4400 mg/L), assim como a tempo de tromboplastina parcial, ferritina sérica e tempo de protrombina.

Achados de neuroimagem no COVID-19
 

Paciente 3: 62 anos, sexo masculino, com dificuldade de acordar após extubação. A TC não tinha alterações. A RM mostrava discreto hemoventrículo no SWI, assim como “blooming” multifocal nos espaços subaracnoides e subpiais, ao longo do córtex com padrão giriforme. Havia alteração semelhante acompanhando pequenas veias corticais em múltiplos territórios e discreto hipersinal FLAIR em torno das regiões corticais. D-dímero estava elevado (>4400 mg/L), assim como a proteína C reativa.

Achados de neuroimagem no COVID-19 


Paciente 4: 57 anos, sexo feminino, com midríase bilateral após extubação. TC mostrava volumoso hematoma temporal à direita, com desvio da linha média. Havia também múltiplas hemorragias petequiais esparsas corticais e subcorticais. D-dímero estava elevado (>4400 mg/L), assim como a proteína C reativa.

 
Microssangramentos em paciente em estado crítico são uma condição grave, bem reconhecida, porém com etiologia não bem definida, possivelmente relacionada a um estado hipertrombótico/de hipercoagulabilidade. É conhecida a associação com sepse grave, cujas alterações inflamatórias resultam em alterações no fluxo microvascular. O efeito final de microangiopatia trombótica pode levar à disfunção final de orgãos.

A síndrome de angústia respiratória aguda relacionada à COVID-19 está relacionada à sua ação sobre os receptores da enzima conversora de angiotensina 2, amplamente expressos na musculatura vascular lisa e no endotélio. As altas taxas de complicações tromboembólicas têm levantado a possibilidade de trombose microvascular associada. Além disso fatores de risco como obesidade, diabetes e hipertensão favorecem um pior desfecho.
 
Os infartos multifocais subcorticais apontam para uma possível trombose microvascular arterial, enquanto as veias hiperdensas são indicativos de fluxo venoso lento. O estado de trombose difusa pode levar à disfunção da barreira hematencefálica, sangramentos petequiais multifocais e hemorragia massiva eventualmente.

 Interessante (e preocupante), não?

Assim como este artigo, há outros artigos fresquinhos que são semanalmente resumidos e esquematizados por nós lá no NeuroNews, nosso clube de assinatura premium. Nós lemos, resumimos e simplificamos os melhores artigos da semana pros nossos associados :)

Já conhece o NeuroNews?

Entre pro nosso clube você também [clique aqui!] 

Você tem 15 dias pra testar de forma totalmente gratuita! Garantimos que você vai gostar! Venha fazer parte da Neurorradio :)

 

Olá, deixe seu comentário para Achados de neuroimagem na COVID-19

Já temos 2 comentário(s). DEIXE O SEU :)
Clecia Ferreira

Clecia Ferreira

Muito interessantes os estes achados radiológicos, alem dos eventos isquemicos ja descritos em outras publicações. Outro achado que tivemos foi o de trombose venosa.
Obrigada, pessoal!
★★★★★DIA 22.07.20 06h45RESPONDER
N/A
Enviando Comentário Fechar!
Igor Padilha

Igor Padilha

Verdade Clecia, a diversidade de apresentações que vemos nos casos de COVID são diversas. Obrigado por compartilhar sua experiência conosco tbm!

★★★★★DIA 26.07.20 08h21RESPONDER
N/A
Enviando Comentário Fechar!
Enviando Comentário Fechar!

CONHEÇA NOSSA EQUIPE

Ana Fonseca

Ana Fonseca

Neurorradiologista

Radiologista com atuação em Neurorradiologia e Cabeça e Pescoço. Fellowship na Santa Casa de São Paulo e grupo DASA.

Bárbara Trapp

Bárbara Trapp

Neurorradiologista

Radiologista com atuação em Neurorradiologia. Fellowship em Neuroimagem pela Unifesp e Universidade de Viena.

Igor Padilha

Igor Padilha

Neurorradiologista

Radiologista com atuação em Neurorradiologia e Cabeça e Pescoço. Fellowship na Santa Casa de São Paulo e grupo DASA.

Camila Amâncio

Camila Amâncio

Neurorradiologista

Radiologista com atuação em Neurorradiologia no Hospital Sírio-Libanês e grupo DASA. Fellowship no Hospital Sírio-libanês.

 

Cadastre-se em nossa Lista VIP